Feeds:
Posts
Comentários

Senta, aumenta o som e aperta o play

 

Com quem mais poderia debater certas ideias e colocações do que se não comigo. No silêncio barulhento de tudo aquilo que penso e sinto. Nos recantos mais sombrios do meu ser, no âmago mais profundo de minhas ambições e frustrações. No centro de minhas lembranças mais alegres.

Lá, ali naqueles campos com arestas vivas e repletas de imperfeições, que não aceita meio termo, meia presença ou sequer a ideia de uma preocupação genuína que não seja sincera.

Antes de tudo, é preciso saber o que é a vida e o que significa viver. Sabemos que no jogo da existência, resiliência é a capacidade de sobreviver, que se preparar minimamente para o que nos espera na próxima curva desconhecida do destino é a diferença entre sucumbir e vencer.

Nada do que se possa fazer irá recuperar o tempo perdido ou salvar o que não pode ser salvo. Seguir sempre em frente, é além de uma obrigação, uma busca altruísta de ser.  É preciso aceitar que amores perfeitos são a utopia de uma ilusão burra e estéril. A sinceridade e maior riqueza de qualquer relação só pode ser encontrada na imperfeição de dois seres que se transbordam juntos. O mais perfeito amor, é aquele que se vive com o coração.

No fim das contas eu ainda sei o que quero, não vivo atrelado ao passado, ainda que nunca tenha deixado de aprender com as experiências que tive. Carrego cativo comigo os sorrisos que dei, eles são o adubo de tudo aquilo que sonho.

Amo o mar, e como bom marinheiro, aprendi a navegar em noites de tormentas e em meio a tempestades. A calmaria da vida, talvez no fim das contas, seja mesmo ilusão. Eu quero mares revoltos, litoral com ondas, o calor de um amor que não amorne.

Não sei sentir pouco, por isso é muito o que vivo. Sei que inimigos, nada mais são do que aqueles que tentam nos aborrecer, mas que perigo mesmo advém das amizades. Um inimigo não traí, são os amigos, aqueles em que apostamos o que temos de melhor que podem nos apunhalar pelas costas. É por isso que não tenho muitos amigos, tenho alguns poucos e bons.

Aprendi com a vida que quando no limite, é preciso preservar nossa consciência crítica. É apenas assim, desse jeito torpe e torto, que é possível fazer poesia do caos.GetAttachment_thumb.jpg

Das relações, quero planos que me incluam, dispenso a perfeição mas quero inteiro e intenso. Antes do meu respeito, quero respeito. Não quero qualquer história, fugaz e gélida, quero frio na barriga, brilho no olho e calor no coração.

Sim eu converso comigo, eu brigo, eu discuto e muitas vezes também não me entendo, mas é assim que lembro de quem fui, que conheço quem sou, que vou escrevendo quem quero me tornar e rabiscando o que quero longe.

* Texto Inspirado no livro:  “O Homem mais inteligente da História”.

Anúncios

Longe de mais

16003193_896091357161163_7172793840719991447_nJá cai e me reinventei tantas vezes que até perdi as contas. Muitas vezes abandonando hábitos, sempre tentando tirar o melhor de cada provação. Amei de forma intensa, viva e quente, já magoei, fui magoado, menti e fui enganado, acreditei e abandonei crenças, no entanto, nunca me permiti ser morno.

Sempre estive pronto para fazer a diferença, nunca para ser apenas mais um. Tantas e muitas vezes errei em cada uma das minhas relações, carrego comigo cicatrizes que não me deixam esquecer quem sou e o tipo de cara que gostaria de me tornar.

Abandonei amores dos quais ainda carrego as cores da doce saudade, aprendi que o tempo cicatriza nossas feridas, mas nunca nos deixa esquecer de tudo o que vivemos.

Já me recriei tantas vezes, usei a roupa da amargura, as vestes da inconsequência, apelei as amizades, me encontrei nas alegrias, me perdi em meus sorrisos, respeitei a cumplicidade, acreditei na verdade, ousei amar de corpo e alma, mas foi sempre nos gestos mais simples que encontrei os maiores significados.

Sei que ainda tenho muito o que aprender, talvez também seja preciso me reinventar muitas outras vezes, encontrar novos amores, me permitir novas relações em buscas dos velhos sonhos que carrego no peito, porque eu sei… A vida é breve, quase um sopro e “Já cheguei longe demais para desistir de quem sou”.

Serei feliz até o fim, hey de amar até transbordar quando também for amado, pois amor meu bem, “é como espelho, tem que ter reflexo”

Sabe, hoje eu acordei com saudade de você. Saudade daquele riso fácil, dos olhos brilhantes, daquele abraço sem tamanho…

Algumas paixões são maldição, alguns amores são a propria ilusão, Triste sina destes desencontros…

Numa clara e indevida apropriação do Amar é querer ficar posso dizer que 

… É fácil amar no silêncio da noite, encaixados um ao outro. É fácil amar quando se sorri e durante as conversas intermináveis sobre política e temas banais. É fácil amar em um dia de Sol na praia e batendo fotos para postar no Instagram.

Mas é difícil, não é? É difícil amar quando existe a cara emburrada e você nem sabe o porquê. É difícil amar quando está cansado do trabalho. É difícil amar quando se esquece aquele compromisso que você falou mil e uma vezes.

Na verdade, o amor em si é muito simples. Você sabe que ama aquela pessoa e pronto. Não tem mistério, perceber e assumir o que sente é até leve.

Mas além disso, amar é convivência. É qualidade e defeito. É insistir e ceder. É dia bom e dia ruim, às vezes as duas coisas em 24 horas. É abraço apertado e saudade que dói. É estresse, é calmaria, é briga e muita risada.

E é justamente por esse emaranhado de momentos e sensações que as pessoas se perdem. É pelo medo ou por subestimar que a gente se engana com a ideia de amar. Não é tão difícil quanto dizem nem tão fácil quanto a gente gostaria, é um pouco mais óbvio que isso: é tudo uma questão de querer fazer dar certo.

Entre limitações e suas superações, amar é sobre querer ficar e cada vez mais evoluir – juntos…

Amar é acima de tudo sobre querer estar juntos, do contrário é tudo menos amor!

7155-1920x1200Uma vez li ou ouvi de que certas verdades preferimos não ver, que outras preferimos não acreditar e há ainda aquelas que temos que aceitar.

Seria fácil, não fosse a vida um jogo de xadrez que, a cada escolha, nos cobra sempre uma renúncia em seus infinitos caminhos.

Seriamos prepotentes se acreditássemos que sabemos de tudo e de que somos senhores do nosso destino, a cada escolha nossa existe outras muitas pessoas escolhendo caminhos que terão impactos em nossas vidas.

Não me refiro apenas a relacionamentos, é a sina da vida, é o motorista atrasado que fura um sinal no momento exato em que estamos cruzando a via expressa, é o telefone que toca no momento exato em que estamos saindo de casa. São aqueles 3 segundos que paramos apreciar uma flor sem sequer imaginar que foi exatamente o tempo preciso para escapar de uma tragédia.

Somos sim senhores de nossas escolhas, arcamos com o preço dos caminhos que seguimos, não sei qual a lógica que se aplica aqui, o bem semeado nem sempre resulta em farta colheita, mas o mal sempre termina em tempestade. (Seja aqui qual for o tipo de mau ou mal, a tempestade sempre é mais violenta).

Humildade não é sinal de fraqueza, elevada auto estima também não significa arrogância ou prepotência. Mas caráter, sempre distingue entre os heróis e os vilões.

A vida são as escolhas, não quer dizer que teremos sempre o melhor, que venceremos todas as batalhas, que nosso amor será correspondido na mesma medida, que a saúde será sempre uma benção, que nunca sentiremos a falta de alguém. Com tudo isso só existe uma forma de lidar, é cabeça erguida peito aberto e a inabalável fé que no fim, todas as lágrimas, decepções, frustrações, topadas e furadas vão valer a pena.

Que 2016 leve toda a minha tristeza, mas que me deixe o brio, a garra, a coragem, a sabedoria, o amor, a fé e a inabalável vontade de continuar em pé na arena da vida para o que der e vier!

As vezes…

13245426_10204899157198735_6177814653140046879_nAs vezes tudo o que precisamos é aumentar o som e fechar os olhos.

Esses dias li que as pessoas que ao ouvir música se arrepiam, são especiais, mas quem é que não se arrepia com boa música e uma lembrança na memória?

Que eu me esqueça de tudo, de tudo aquilo que conquistei, de todas as brigas que travei, dos nocautes que levei, dos ganchos que apliquei, mas que eu nunca esqueça do sabor dos risos que cativei.

Esquece, deixa todo o resto para trás, apenas e somente, aumenta o som!

Tic-tac

IMG_1915Olhares perdidos, sorrisos escondidos

Vozes caladas, sentimentos  gelados

Caminhos cruzados, destinos selados

Chegadas e partidas, um amontoado de feridas

Tic-tac, tempo perdido, bolo queimado, leite entornado

Coração partido, caco quebrado, vaso colado

Brigo, xingo, respiro e sigo; bingo!

Sou assim: meio selvagem, meio ternura

Muita surpresa, represa de calor

Dor e andor, fogo e mais calor

Ainda sou teu sabor!

 

 

Banho de chuva…

Vinha embora quando uma lembrança, daquelas de mais de 10 anos,  me veio à cabeça. Parado no semáforo, me vi passando, correndo por entre os carros, a chuva corria forte e o vento sacudia as árvores.

Era apenas um temporal de verão, que insistiu em cair na hora de nosso encontro. Toda a juventude explodindo em ansiedade,  a vontade desesperada de te ver em um embate com a razão de parar em algum lugar e simplesmente esperar, deixar o tempo passar e as nuvens secarem.

Impossível, eu poderia tudo naquele momento, menos te deixar esperando… e assim eu corria, me encharcando de suor e me lavando no temporal.

Um banho como louco, me valeu um sorriso expontâneo do tamanho do mundo… Qual foi aquele teu olhar, um contentamento tão cheio de espanto, quase sem querer acreditar.

“Porra por que não esperou?”

“Eu não queria te deixar esperando!”

Ganhei uma camiseta nova, um sorriso enorme e um beijo doce cheio de paixão. O sinal abriu, o carro de trás buzinou, voltei a realidade com brilho no olhar e com uma enorme saudade daquele beijo!


Escuta só

%d blogueiros gostam disto: